19.8.14

D. João V (Damaia)


Cine-Teatro D. João V

(Fotografia retirada de jregiao-online.webnode.pt)

O Cine-Teatro D. João V na Damaia, foi inaugurado em 1966. Foi durante várias décadas uma importante sala de espetáculos com grande impacto cultural não só na Damaia como no próprio município da Amadora e na área metropolitana de Lisboa. A programação de elevada qualidade e as excelentes condições da sala que comportava 500 lugares, atraíram durante muitos anos artistas de renome nacional e internacional. Passaram pelo seu palco Rui Veloso, Carlos do Carmo, Vitorino, Madredeus, Brigada Victor Jara, etc. Um dos concertos míticos que passou pelo D. João V foi o de Bryan Adams em 1988. Em vésperas do festival Rock de Benfica realizado no Estádio da Luz, o músico quis realizar um concerto surpresa para os fãs e foi--lhe aconselhada aquela sala devido à excelente acústica. Muita gente não acreditou nas noticias de última hora que davam a presença do cantor na Damaia, mas os que por lá apareceram podem hoje gabar-se de ter participado naquilo que já é quase considerado um mito urbano. Quanto ás sessões de cinema, elas foram quase sempre contínuas até 1975, sendo que a partir dessa altura o teatro e a música passaram a ter muito mais peso na programação. O Cine-Teatro D. João V encerrou em 2001 e foi adquirido pela Câmara Municipal da Amadora em 2004. Em 2009, finalmente foi aprovada a sua remodelação e transformação num moderno espaço ao serviço da cultura. Está prevista a sua reabertura para 2014, com a redução da sua capacidade para 344 espetadores e a criação de novos espaços polivalentes dentro do edifício.

Localização: Largo da Igreja     

Oceano (Odivelas)


Centro Comercial Oceano

O Centro Comercial Oceano foi durante duas décadas a maior superfície comercial existente em Odivelas. Quando foi inaugurado em 1984, eram poucos os centros comerciais com 3 pisos. A sala de cinema era bastante moderna e ampla, ao contrário da maioria das salas de pequenas dimensões existentes em centros comerciais. Funcionou até 1992. O espaço foi posteriormente ocupado por uma loja de artigos desportivos e mais recentemente é um local de culto.

Localização: Av. Dom Dinis

17.8.14

S.M.O. (Odivelas)


 Interior do Cine-Teatro da S.M.O.

 Palco do Cine-Teatro da S.M.O.

Fachada do edifício sede da S.M.O.

(Fotografias retiradas de www.smodivelense.com)

A história das sessões cinematográficas em Odivelas está intimamente ligada à história da Sociedade Musical Odivelense. Esta instituição foi fundada em 1863 e foi através dela que foram introduzidas as sessões de cinema em Odivelas. As primeiras projeções datam da década de 20, sendo realizadas numa sala cedida por outra instituição: O Clube "Os Passarinhos". Com a edificação da atual sede em 1931, a S.M.O. passou a realizar as sessões em espaço próprio, utilizando para tal o seu salão de festas. Foi durante a década de 30 que o cinema passou a ser a principal fonte de receitas da sociedade. Em 1936, o ministério das obras públicas e comunicações autoriza oficialmente as sessões de cinema na S.M.O., visto estarem reunidas todas as condições para o recinto ser convertido em Cine-Teatro, o que viria a suceder. Em 1938 são inauguradas as sessões ao ar livre durante o verão. Durante quase duas décadas estas sessões decorrem em terrenos particulares mediante acordos com o proprietário, mas em 1956 a situação altera-se. Mediante acordo com o proprietário, é cedido um espaço na Rua do Souto, por trás da Quinta da Memória, onde viria a nascer a Cine Esplanada a 29 de Junho de 1956. Foi preciso esperar mais uma década, até 1967 para que a Secretaria Nacional da Informação, Cultura Popular e Turismo, emitisse a licença definitiva de exploração da esplanada como Cinema. O espaço dispunha de lugar para albergar 500 espetadores. Até 1980 o cinema foi a principal atividade e fonte de receitas, mas o surgimento de novas salas, mais modernas e construídas de raiz acabariam por ditar o desaparecimento do público e o fim das sessões.

Localização: Rua Maria Gomes da Silva Santos nº 7 

16.8.14

Odivelas (Odivelas)


Strada Outlet

(Fotografia retirada de www.maissuperior.com)
   
Inaugurado a 3 de Abril de 2003, o Centro Comercial Odivelas Parque com as suas 5 salas de cinema, devolveu aos odivelenses a possibilidade de voltarem a ver cinema sem se deslocarem ao centro da capital. Odivelas manteve durante várias décadas salas de cinema operacionais e com relativo sucesso. Na década de 80 chegaram a existir no concelho 4 cinemas. Mas subitamente durante os anos 90 encerraram todos, e só com a abertura do novo centro comercial foi colmatada essa falta. Inicialmente o complexo de salas de cinema gerido pela Lusomundo, possuía mais salas, mas devido às obras de reestruturação do centro levadas a cabo em 2012, esse número foi reduzido para 5. A conversão em Outlet, alterou o conceito inicial desta superfície comercial. O novo Strada Outlet foi inaugurado a 3 de Dezembro de 2012 e com a mudança do nome do centro, também a empresa responsável pelos cinemas mudaria o nome dos mesmos, deixando de se designarem Odivelas Parque para passarem simplesmente a Cinemas Odivelas.

Localização: Estrada da Paiã

15.8.14

Babilónia (Amadora)


Centro Comercial Babilónia

(Fotografia retirada de www.panoramio.com)

O Centro Comercial Babilónia foi inaugurado em Dezembro de 1984. A sua excelente localização, no centro da Amadora, mesmo em frente à estação de comboios, continua a fazer com que seja visitado diariamente por milhares de pessoas. Os dois pisos de lojas e restaurantes representam bem o espírito daquela que é uma das zonas mais multi-culturais da área metropolitana de Lisboa. Entre os habitantes da Amadora podemos contar um número impressionante de diferentes nacionalidades que conferem a este grande subúrbio da capital um colorido e uma riqueza cultural que apenas encontra comparação nos bairros da Mouraria e na zona do Martim Moniz no centro de Lisboa. O cinema que ali existiu durante os anos 80 e 90 era muito frequentado, principalmente por grupos de jovens. O aumento dos furtos e da insegurança na zona envolvente ao centro comercial foi acabando por retirar cada vez mais clientela ao cinema, acabando por ditar o seu encerramento.

Localização: Rua Elias Garcia nº 362 D   

13.8.14

Lido (Amadora)


Cine-estúdio Lido

(Fotografia retirada de bloguedelisboa.blogs.sapo.pt)

O Cine-Teatro Lido, projetado pelo Arquiteto Antero Ferreira, foi inaugurado em 1962. O Lido, no auge do seu sucesso durante as décadas de 60 e 70, foi uma das mais importantes salas de espetáculos da área metropolitana de Lisboa. Aquele que foi o maior cinema da Amadora tinha plateia e dois balcões. Pelo seu palco passaram alguns dos principais atores do país. No seu apogeu enquanto sala de cinema, chegava a ter autênticas romarias de gente vinda de toda a linha de Sintra. Nos anos 70, o edifício sofreu alterações significativas sendo transformado em galeria comercial e o Cine-Teatro foi convertido em sala estúdio. A mudança refletiu-se também no nome que passou a Cine-estúdio. A crise dos anos 80 levou ao encerramento do cinema, que viria a ser convertido em discoteca nos anos 90 e mais tarde em igreja. A forte concorrência das modernas superfícies comerciais acabaria por ditar o encerramento do centro comercial. Um incêndio ocorrido em 2009 destruiu por completo o interior do edifício que se encontrava devoluto há já vários anos. Atualmente, a zona envolvente ganhou um belo parque mas o Lido continua em ruínas, à espera de um projeto de reabilitação ou do seu fim definitivo.

Localização: Av. D. Nuno Álvares Pereira  

12.8.14

Recreios da Amadora (Amadora)


 Edifício dos Recreios da Amadora

Interior da sala de espectáculos

(Fotografias retiradas de www.cm-amadora.pt  e www.panoramio.com)

Os míticos Recreios da Amadora nasceram em Agosto de 1914. O principal pólo cultural da Amadora durante o séc. XX deve a sua existência a José Santos Mattos e António Correia, proprietários da fábrica de espartilhos Santos Mattos. A Amadora do início do século XX era um subúrbio habitado maioritariamente por população fabril. As fábricas existentes na zona e as baixas rendas atraíam muitos trabalhadores e suas famílias que se fixaram em número cada vez maior neste subúrbio da capital. A construção dos Recreios da Amadora permitiu aos amadorenses terem acesso a uma oferta cultural que apenas existia no centro de Lisboa. Em 1943 o edifício principal onde se encontra a sala de espectáculos foi alvo de obras de requalificação sob projecto do Arq. Raul Lima. O antigo Teatro foi transformado num moderno auditório com capacidade para 600 espectadores. Em 1950 iniciou funções de Cine-Teatro com o número de sessões de cinema a sobrepor-se às de teatro. Até encerrar nos anos 80, foi a principal sala de cinema da Amadora. No final da década de 80 foi adquirido pela Câmara Municipal da Amadora. Depois de sofrer várias obras de modernização reabriu ao público em 1997 com um novo auditório construído de raiz. Foram, mantidas a fachada original e o foyer, devido à sua beleza arquitectónica. O novo espaço polivalente está equipado com um auditório com capacidade para 215 espectadores, duas salas estúdio com 50 e 30 lugares respectivamente e um salão nobre onde podem ser levadas a cabo exposições.

Localização: Av. Santos Mattos nº 2       

11.8.14

Dolce Vita Tejo (Amadora)


Centro Comercial Dolce Vita Tejo

(Fotografia retirada de www.dolcevita.pt)

Inaugurado em Maio de 2009, o Centro Comercial Dolce Vita Tejo, localizado na Amadora é o maior da Península Ibérica e um dos 10 maiores da Europa. Apesar da sua dimensão, o complexo de cinemas não é o maior do país nem tão pouco o maior da àrea metropolitana de Lisboa. As 11 salas são exploradas pela empresa espanhola UCI.

Localização:  Av. Cruzeiro Seixas nº 5

10.8.14

Doiseme (Mem Martins)


Fachada do Centro Comercial Bela Vista, onde funcionou durante vários anos o Cine Estúdio Doiseme

(Fotografia retirada de algueirao-memmartins.blogspot.pt)

O Centro Comercial Bela Vista em Mem Martins foi inaugurado em 1980. A sala de cinema só no ano seguinte seria inaugurada. O Cine Estúdio Doiseme abriu portas a 23 de Outubro de 1981. Durante os anos 80 partilhou com o Cine-Teatro Chaby a missão de levar o cinema à população de Mem Martins. O Chaby sobreviveu até 1989, passando o legado ao Doiseme. Durante a década de 90 esta foi a única sala em actividade em Mem Martins, acabando por encerrar antes do novo milénio. Actualmente o espaço continua encerrado.

Localização: Alameda Afonso de Albuquerque   

9.8.14

Chaby (Mem Martins)


Local onde existiu o Cine-Teatro Chaby

(Fotografia retirada de algueirao-memmartins.blogspot.pt)

O Cine-Teatro Chaby em Mem Martins, foi inaugurado em 1947 e encerrou a 30 de Junho de 1989. Durante várias décadas foi a única sala de cinema em Mem Martins e uma das principais do concelho de Sintra. Depois do seu encerramento, chegou a estar previsto fazer no edifício a sede da Lusomundo. Um incêndio acabaria por destruir por completo o Chaby e pôr fim ao projecto. Mais uma vez foi a cultura e os habitantes de Mem Martins que ficaram a perder, e a ganhar ficou quem lucrou com a construção do mix espaço comercial e de habitação que foi construído no local.

Localização: Avenida Chaby Pinheiro